Você está aqui

Governo segura desde junho estimativa maior de desmatamento da Amazônia

MAURÍCIO TUFFANI


Uma revisão do desmatamento da Amazônia entre 2014 e 2015 mostrou que o corte raso nas florestas da região alcançou 6.207 km², ou seja uma extensão 6,45% maior que os 5.831 km² divulgados no final do ano passado. Concluídos em maio pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), os dados estão retidos desde junho no MCTIC (Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações), aguardando o ministro Gilberto Kassab (PSD) liberar a divulgação.

Leia mais sobre o assunto em minha reportagem para o UOL “Governo segura desde junho estimativa maior de desmatamento da Amazônia”, que marca o início de uma parceria de Direto da Ciência com o maior portal brasileiro de conteúdo, produtos e serviços de internet desde sua fundação há 20 anos, em 1996. Com mais de 1.000 canais de jornalismo, o UOL possui mais de 7,4 bilhões de páginas vistas todos os meses e sua home page recebe mais de 50 milhões de visitantes únicos por mês. atraindo sete em cada dez internautas brasileiros.

 

E o desmatamento zero?

Ao mostrar que a maior ocorrência anual de corte raso na Amazônia brasileira desde 2012 é ainda maior do que imaginávamos, a notícia traz preocupação também com o objetivo de zerar a devastação florestal na região. Para isso, já está no Congresso o projeto de lei do Desmatamento Zero, que reuniu mais de 1,4 milhão de assinaturas e acaba de ser aberta para consulta pública. Mais informações sobre o assunto no site do Greenpeace.

 

SciELO em 2014 e 2015

O blog SciELO em Perspectiva publicou ontem (sexta-feira, 23/set) informações sobre o fluxo editorial de 2014 e 2015 coletados nas consultas semestrais que essa plataforma realiza sobre seus periódicos. Assinado por Abel L Packer, Alex Mendonça e Fábio Almeida, o post mostra quatro tabelas com dados de apresentação e aceitação de artigos para os 266 periódicos que responderam às consultas, discriminando áreas temáticas e sistemas de gestão online. Ao todo, em 2015 foram recebidos 80.025 manuscritos, dos quais foram aceitos para publicação 17.027. Confira em “Fluxo de manuscritos e artigos processados pelos periódicos do SciELO Brasil em 2014 e 2015”.

 

Transferência de tecnologia

Um projeto de lei na Câmara dos Deputados propõe submeter a transferência de tecnologia produzida por entidades públicas para empresas privadas às mesmas regras para licitações e contratos da administração pública, com preferência para empresas nacionais ou estrangeiras que se comprometerem a investir no País. Apresentada pelo do deputado Alberto Fraga (DEM-DF), o PL 4.834/2016 tem como justificativa “resguardar o conhecimento produzido pelas entidades públicas. Segundo a Agência Câmara Notícias, o parlamentar afirma:

“O conhecimento produzido por esses órgãos é patrimônio público e deve ser protegido, pois significa investimentos e empregos”. (…) Há exemplos de tentativa de transferência de conhecimento a entidades privadas sem se passar pelas normas de licitação e contratos, o que pode onerar o patrimônio público.”

 

Sem plenário

O projeto está na Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público, onde aguarda parecer do deputado Walney Rocha (PEN-RJ). Depois deverá ser apreciado também pelas comissões de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática e de Constituição e Justiça e de Cidadania. A proposta tramita em caráter conclusivo, ou seja, sua aprovacão não exigirá apreciação pelo plenário se não tiver contestação nas comissões.

Originalmente, publicado em Direto da Ciência.